Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Fogo’ Category

 Texto Bíblico: 2Crônicas 7.1-3

Introdução: Por ser Davi um homem de guerra, Deus não permitiu que ele edificasse o templo. Seu filho Salomão, porém, era um rei pacífico, conforme significa seu nome (da palavra hebraica SHALOM – “Paz”). Por isso, Deus permitiu que ele construísse o templo em Jerusalém. Salomão dedicou os primeiros três anos do seu reinado à aquisição e transporte de matérias de construção para o templo, dando início à grandiosa construção só no quarto ano do seu reinado. (966 a.C.). 

A Construção do Templo (2Crô 2-4)

Em preparo para a grandiosa obra de construção, muito “cedros do Líbano” foram levados através de balsas, por mais de 100 quilômetros, pelo litoral do Mar Mediterrâneo, desde Tiro (no atual Líbano) até Israel. Tiro também pôs à disposição de Salomão os serviços de Hirão, talentoso escultor em bronze. Muitos outros artesãos habilidosos chegaram de toda região do mundo, então conhecido, para prestarem sua colaboração ao grande empreendimento de Salomão.

As pedras finíssimas, usadas na construção do templo, foram cinzeladas com perfeição, desde o fundamento até as beiras do teto, enfim, em toda a parte em que estas foram aplicadas. Mediam cerca de seis a sete metros quadrados. Quando lemos no Novo Testamento, Pedro referindo-se a “pedras vivas” comparando-as com os filhos de Deus, perfeitamente cinzelados, santos, dignos de oferecer sacrifícios espirituais, agradáveis a Deus, entendemos que ele estava fazendo uma alusão àquelas pedras do Antigo Testamento. O servo de Deus será esculpido com esmero, por dentro (pensamentos e atitudes) e por fora (palavras e ações) e assim cumprirá um desempenho feliz no templo espiritual do Senhor.

O exterior do templo foi trabalhado em pedra calcária branca adornada com esculturas de querubins, flores e palmeiras. Toda a mobília, bem como os pisos, paredes e tetos e até os pregos, eram cobertos de ouro. (2Crô 3.9). A construção deste enorme edifício levou 7 anos. Mais de 30.000 israelitas e 153.000 estrangeiros trabalharam na construção deste santuário do Deus de Israel.

Uma das características mais notáveis do templo foi seu extenso átrio de acesso, com duas colunas, denominadas Jaquim (“Ele estabelece”) e Boaz (“Nele está a força”).                                                 (EETAD – História de Israel).

A Dedicação de Templo (2Crô 5-7)

Uma vez edificado o templo, a arca da Aliança foi nele colocada. Embora a arca parecesse apenas uma simples e antiga caixa, em contraste com a magnificência do próprio templo, era venerada por todo Israel. Os judeus bem sabiam que sem a arca, o templo não passaria de um edifício qualquer, uma vez que ela simbolizava a presença de Deus no meio do Seu povo. 

O templo foi dedicado a Deus, e Salomão, juntamente com o povo, preparou-se para adorar ao Senhor: “… e adoravam, e louvavam o Senhor, porque é bom, porque a sua benignidade dura para sempre.” (v.3).

Louvai ao Senhor! Por quê? As Sagradas Escrituras dizem:

“Bom é louvar ao Senhor e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo.” (Sl 92.1).

“Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e tudo o que há em mim bendiga ao seu santo nome. Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nem um só de seus benefícios.” (Sl 103.1,2). 

A  Aceitação e  Aprovação de Deus (2Crô 7.1-3)

1- A Oração de Salomão.

Salomão orou com o pedido de que Deus viesse “… entra para o teu repouso…” (2Crô 6.41). A oração dele fora ouvida. E a aceitação de Deus foi confirmada. Então, desceu fogo do céu, consumindo os sacrifícios e as ofertas queimadas. Então a glória do Senhor encheu o templo. (v.1). O fogo e a glória de Deus são os sinais da sua aprovação.

A gloriosa presença de Deus se fazia sentir de maneira tão poderosa naquele edifício que os sacerdotes não podiam entrar no templo. (v.2). No entanto, nenhum edifício é suficiente para conter Deus, pois Salomão afirmou: “… Eis que céu e o céu dos céus não te podem conter, quanto menos esta casa que eu tenho edificado.” (2Crô 6.18).

A oração de Salomão foi aceita e respondida por Deus. As Sagradas Escrituras dizem:

“Clama a mim, e responder-te-ei e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes.” (Jr 33.3).

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.” (Mt 7.7).

“E tudo que pedirdes em oração, crendo, o recebereis.” (Mt 21.22).

“Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito.” (Jo 15.7).

A promessa positiva de Deus é que, se clamarmos a Ele, Ele nos responderá se tal que ficaremos impressionados.

2- O Fogo Desceu do Céu.

Deus enviou fogo do céu e consumiu o holocausto e os sacrifícios. O fogo simbolizava a presença de Deus. O fogo apontava para a verdadeira consagração do templo, porque somente o poder purificador de Deus é capaz de santificar. (Nm 31.23ª).

O fogo Era um Emblema da Presença Divina. Exemplos:

  • Fogo como presença de Deus. (Êx 19.18).
  • Fogo como resposta de Deus. (1Rs 18.38; 1Crô 21.26).
  • Fogo como provação de Deus. (Dn 3.21; Is 43.2c).
  • Fogo como aceitação de Deus. (2Crô 7.1).
  • Fogo como poder de Deus. (Hb 1.7b).

Deus é um fogo consumidor (Dt 4.24) e tudo que estiver envolvido pela presença de Deus também se torna fogo. O fogo era a glória da presença de Deus, a Shekinah, que transformava tudo e todos em que tocasse.

3- E a Glória do Senhor Encheu a Casa.

A “glória do Senhor” refere-se a uma manifestação visível da presença e do esplendor de Deus. A glória de Deus também se refere á presença visível de Deus entre o seu povo. A glória de Deus é também chamada a Shekinah de Deus. A palavra Shekinah vem do verbo hebraico que significa “habitação (de Deus)”, empregada para descrever a manifestação visível da presença e a glória de Deus.

A Glória do Senhor. Exemplos:

  • Moisés viu a Shekinah de Deus no meio da sarça ardente (Êx 3.2) e na coluna de nuvem e de fogo. (Êx 13.21).
  • Ela cobriu o Sinai quando Deus outorgou a Lei. (Êx 24.16,17). 
  • Encheu o Tabernáculo. (Êx 40.34).
  • Guiou Israel no deserto. (Êx 40.36-38).
  • Encheu o templo de Salomão. (2Crô 7.1).
  • Hoje é possível ver a glória de Deus. (Jo 11.40).
  • E hoje você pode ser cheio da glória de Deus. (Sl 81.10).

A glória do Senhor encheu a casa! “E os sacerdotes não podiam entrar (ter-se em pé) na casa do Senhor, porque a glória do Senhor tinha enchido a casa do Senhor.” (v.2). E hoje aqui não é diferente, não vai ficar nem um centímetro e nem um metro deste lugar que não tenha glória. Acredite! Abre a sua boca e seja cheio da Glória de Deus!

Resumo: Que privilégio: O nosso corpo é templo do Espírito Santo. (2Co 6.16). Deus agora habita nossos corações como seu templo. (1Co 3.16). Se o buscarmos, Ele está conosco no mesmo momento. No instante em que colocamos as ofertas que selecionamos sobre o altar, o seu fogo Santo desce. E sempre que deixarmos espaço disponível para Deus, Ele vem e o ocupa! 

Após 14 dias de adoração e louvor, o povo voltou para suas casas, cheio de alegria e fervor.  (2Crô 7.8-10).

Read Full Post »

Textos Bíblicos: Levítico 6.12ª, 13; Provérbios 26.20a

Introdução: O fogo de Deus está presente hoje na vida de cada crente. Ele acende a chama quando o Espírito Santo passa a habitar em nós, e zela tanto por isto que crescemos em graça enquanto andamos com ele.

Um fogo pode apagar-se simplesmente mediante a remoção do combustível, ou por falta de lenha. Desde o Antigo Testamento, a ordem de Deus era “O fogo pois, sempre arderá sobre o altar; não se apagará, mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã…” (Lv 6.12a).

Devemos Manter o Fogo Aceso em Nossas Vidas. Como?

1- Com o Combustível da Oração. (Pv 26.20a).

O combustível a ser colocado no fogo é lenha da nossa oração. A oração na vida do crente, não é questão de escolha ou opção, é uma questão de necessidade e sobrevivência espiritual.

A Escritura Sagrada  diz:

“… sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer.” (Lc 18.1).

“… perseverai na oração.” (Rm 12.12b).

“Perseverai em oração…” (Cl 4.2).

“Orai sem cessar.” (1Tss 5.17).

Quando perseveramos em oração – “O fogo pois, sempre arderá sobre o altar; não se apagará…” (Lv 6.12ª).

Hei, mantenha a chama acesa! Lembre-se: “Sem lenha, o fogo se apagará…” (Pv 26.20ª).

2- Com o Combustível do Espírito Santo. (1Tss 5.19; Ef 5.18b).

 Portanto só fazemos prejudicar a nós mesmos e atrair derrota sobre as nossas vidas, quando apagamos as chamadas de atuação do Espírito de Deus. A vinda e a atuação do Espírito com freqüência são relacionadas à idéia simbólica de “fogo”.

A Escritura Sagrada  diz:

“E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; não sou digno de levar as suas sandálias; ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.” (Mt 3.11).

“E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.” (At 2.3).

– “E do trono saíam relâmpagos, e trovões, e vozes; e diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, as quais são os sete Espíritos de Deus.” (Ap 4.5).

– “Por este motivo, te lembro que despertes o dom de Deus, que há em ti…” (2Tm 1.6ª).

Sim: “… atiça em chamas o dom de Deus que há em ti”. Portanto, não apaguemos e nem abafemos o fogo sagrado. “… Para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus.” (Ef 3.19).

  • O crente cheio do Espírito de Deus é como Sansão que colocou fogo na seara dos filisteus!
  • O crente cheio do Espírito de Deus é como Davi disse a Saul: “Não desfaleça o coração de ninguém por causa dele; teu servo irá e pelejará contra o filisteu.” (1Sm 17.32).
  • O crente cheio do Espírito de Deus é como Davi, que disse a Golias: “Tu vens contra mim com espada, e com lança, e com escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do SENHOR dos Exércitos…” (1Sm 17.45).
  • O crente cheio do Espírito é como Jesus disse: “… Em meu nome, expulsarão demônios; falarão novas línguas… e imporão as mãos sobre os enfermos e os curarão.” (Mc 16. 17,18).
  • O crente cheio do Espírito é como Jesus, que disse a Lázaro que estava morto e na sepultura há quatro dias: “… Lázaro, sai para fora!” (Jo 11.43).
  • O crente cheio do Espírito é como Pedro que disse ao paralítico: “Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho (poder), isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta e anda.” (At 3.6).
  • O crente cheio do Espírito é como Estevão: “… que fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus e Jesus que estava á sua direita.” (At 7. 55).
  • O crente cheio do Espírito: “… é bem-aventurado (feliz), porque sobre ele repousa o Espírito da glória de Deus.” (1Pe 4.14b).

O mesmo Deus que disse: “O fogo arderá continuamente sobre o altar; não se apagará.” (Lv 6.13), deseja que o fogo do Espírito Santo continue ardendo continuamente no altar das nossas vidas nos dias maus em que vivemos.

Que este fogo sempre esteja aceso, na vida de cada crente para que possa viver uma vida renovada pelo poder do Espírito de Deus.

3- Com o Combustível da Presença de Deus. (2Sm 22.13).

Deus é fogo Dt 4.24 e Hb 12.29 nos dizem que Deus é fogo consumidor e tudo que estiver envolvido pela presença de Deus também se torna fogo. O fogo era um emblema da presença divina. Tratava-se da presença do Deus vivo. O fogo refere-se a uma manifestação visível da presença e do esplendor da glória de Deus. A chama de fogo era a glória da presença de Deus, a Shekinah, que transformava tudo e todos em que tocasse. Vejamos.

O Fogo da Presença de Deus:

  • Na Sarça Ardente – “Apareceu-lhe o Anjo do Senhor numa chama de fogo, no meio de uma sarça; Moisés olhou, e eis que a sarça ardia no fogo e a sarça não se consumia.” (Ex 3.2).
  • Guiando o Povo Pelo Caminho – E o Senhor ia adiante deles, durante o dia, numa coluna de nuvem, para guiá-los pelo caminho; durante a noite, numa coluna de fogo, para alumiá-los, a fim de que caminhassem de dia e de noite.” (Êx 13.21). 
  • No Monte Sinai – “Todo o monte Sinai fumegava, porque o Senhor descera sobre ele em fogo… e todo o monte tremia grandemente.” (Êx 19.18).
  • No Monte de Deus – “E o aspecto da glória do Senhor era como um fogo consumidor no cimo do monte, aos olhos dos filhos de Israel.” (Êx 24.17).
  • No Monte Carmelo – “Então, caiu fogo do Senhor, e consumiu o holocausto, e a lenha, e as pedras, e a terra, e ainda lambeu a água que estava no rego.” (1Rs 18. 38).
  • Na Dedicação do Templo – “Tendo Salomão acabado de orar, desceu fogo do céu e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do Senhor encheu a casa.” (2Crô 7.1).

O fogo de Deus está presente hoje na vida de cada crente:

  • Quando o fogo está aceso na vida do crente, ele mesmo é uma brasa acesa!
  • Quando o fogo está aceso na vida do crente, ele é uma tocha incendiando, as vidas por onde passa!
  • Quando o fogo está aceso na vida do crente, o seu rosto resplandece como de Moisés e nele o mundo vê a presença de Cristo.
  • Quando o fogo está aceso na vida do crente, ele prega a Palavra em tempo e fora de tempo.
  • Quando o fogo está aceso na vida do crente – “… Deus faz dos seus Ministros labaredas de fogo” (Hb 1.7b).
  •  Quando o fogo está aceso na vida do crente – “O fogo arderá continuamente sobre o altar, não se apagará.” (Lv 6.13).

Resumo:  Mantenha o Fogo Aceso! Com o “Combustível da Oração, com o Combustível do Espírito Santo e com o Combustível da Presença de Deus.” “O fogo arderá continuamente sobre o altar, não se apagará.” (Lv 6.13).

 

Read Full Post »