Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Adoração’ Category

Texto Bíblico: Isaías 6.1-3

Introdução: A visão que teve Isaías ocorreu no ano em que morreu o Rei Uzias, (742 a.C.) – talvez a experiência da morte do Rei produziu um senso de vazio, que o levou ao Templo em busca de consolo. No Templo, Isaías teve uma grande visão de Deus, que culminou com sua chamada profética. Isaías teve uma visão tríplice de Deus. Vamos percorrer as fases desta visão e aplicá-la aos nossos dias. Vejamos:

1- Isaías Viu a Majestade de Deus. (v.1).

A primeira característica que ganha destaque do profeta é o fato de que Deus é cheio de Majestade. Ele é descrito como sentado em um trono muito alto e elevado, acima da terra. Apenas a barra de seu manto enche todo o Templo, que era enorme. Percebe-se, desta forma, que Deus é o rei soberano de toda a terra, nada se compara à sua grandiosidade e poder.

Ele está acima de qualquer autoridade e poder humano, é maior que reinos e reis. Seu trono é fixo e ele reinará para sempre, ninguém pode tirar seu reinado, ao contrário dos reis da terra.

Isaías teve esta visão justamente no ano da morte do rei Uzias. A morte de um rei sempre causava desespero e instabilidade entre o povo, pois não havia garantia de que o herdeiro ao trono iria conduzir o reino da mesma forma que o pai.

A visão mostra que, independente da circunstância, Deus sempre será rei. Homens morrem, reis deixam o reinado, situações financeiras mudam, pais se separam, tragédias acontecem, mas não devemos perder a esperança, porque o Deus Todo poderoso nunca deixará de governar e de ter o controle sobre tudo o que acontece. (Sl 145.13).

Precisamos de uma visão de um Deus que esteja além de nós (num trono alto, sublime e exaltado) e não seja apenas um produto de nossa imaginação.

2- Isaías Viu a Santidade de Deus. (vv.2,3).

A segunda característica destacada por Isaías é a santidade de Deus. Os Serafins dão grande ênfase a isto ao afirmar por três vezes que Deus é santo. “… Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos…” Dizer que Deus é santo é afirmar que ele é diferente de todas as suas criaturas. Os serafins sabiam isto e cobriam o rosto e o corpo, pois eram tão diferentes de Deus que não se viam como dignos de olhar para sua face e aparecer diante dele com seus corpos tão diferentes e inferiores. Esta é uma grande revelação do caráter de Deus: a sua santidade.  A idéia básica de Santidade é “separação”, ou seja, Deus está separado e acima de sua criação. Significa também que Deus está além do Universo, acima dele, separado; e que não há nele qualquer erro, falha ou imperfeição. Esse é o Deus a quem servimos; um Deus perfeito.

  • A santidade divina significa que Deus é separado do pecado. (6.3).
  • A santidade de Deus proporciona o padrão a ser imitado. (Lv 19.2b).“… Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.”
  • Tal santidade é condição para que O vejamos. (Hb 12.14).  “… sem a santificação, ninguém verá o Senhor.”

Deus deseja ser conhecido essencialmente por Sua santidade, pois esse é o atributo pelo qual Ele é glorificado por excelência.

3- Isaías Viu a Glória de Deus. (v. 3b).

Em terceiro lugar, chamou a atenção o que os anjos afirmam que “… toda a terra está cheia da sua glória.” No texto são os Serafins que estão proclamando a “Glória de Deus”. Veja a expressão: “Toda a terra está cheia de sua glória”. Isaías podia perceber uma pequena demonstração desta glória ali dentro do Templo.

A “glória do Senhor” refere-se a uma manifestação visível da presença e do esplendor de Deus. A glória de Deus também se refere á presença visível de Deus entre o seu povo. A glória de Deus é também chamada a Shekinah de Deus. A palavra Shekinah vem do verbo hebraico que significa “habitação (de Deus)”, empregada para descrever a manifestação visível da presença e a glória de Deus.

A Glória de Deus é Manifestada:

  • Na criação. (Sl 19.1). “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.”
  • No seu julgamento. (Ez 39.21). “E eu porei a minha glória entre os gentios e todos os gentios verão o meu juízo, que eu tiver executado, e a minha mão, que sobre elas tiver descarregado.”
  • Na redenção. (Lc 2.13-14). “E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.”
  • Quando construímos uma casa para Ele. (2Cr 7.1-3). Após o rei Salomão haver construído uma das sete maravilhas do mundo antigo: O grande Santuário. A Bíblia diz que, Deus encheu aquele Santuário de uma forma tão tremenda que os sacerdotes ficaram embriagados com a glória de Deus.
  • Através da fé. (Jo 11.40). “Disse-lhe Jesus: Não te disse, se creres, verás a glória de Deus?”

Resumo: Assim como o profeta Isaías, Todo aquele que verdadeiramente conhece, compreende, crê e assim vive segundo a visão de Deus, revelada em Cristo Jesus e na Sua palavra, tem um estilo de vida impactado por esta mesma visão.

Precisamos conhecer compreender e viver segundo a visão, a revelação divina de que o caminho para o bom êxito é o caminho da vida em comunhão e obediência a Deus Pai, por meio de Jesus Cristo, sob a capacitação do Espírito Santo.

Anúncios

Read Full Post »

Texto Bíblico: 1Samuel 17.38-50

1- Uma Harpa. (1Sm 16.16; 18.10).

É o mais antigo instrumento musical que se conhece, existindo já antes do dilúvio. (Gn 4.21). A palavra hebraica kinnor, que se acha traduzida por harpa, significa provavelmente a lira. Os hebreus faziam usa dela, não só para as suas devoções, mas também nos seus passatempos. Não era usada em ocasiões de tristeza.

Geralmente era usada pelos hebreus em momentos:

  • de Gratidão,
  • de Devoção,
  • de Adoração.

2- Um Cajado. (1Sm 17.40).

Era um instrumento usado pelo pastor de ovelhas. (Sl 23.4).

Geralmente era usado para:

  • Corrigir a ovelha desobediente e desgarrada,
  • Socorrer a ovelha que se encontrava caída e enferma,
  • Proteger o rebanho dos animais ferozes.

3- Um Alforje. (1Sm 17.40,49).

“Alforje” ou “porta-níqueis.” Uma sacola que os viajantes usam para levar dinheiro e mantimento para a jornada. Era feito de diversas matérias, geralmente pele ou couro, e estava preso à cintura. (1Sm 11117.40).

Geralmente o alforje fala de:

  • Provisão,
  • Abastança,
  • Subsistência,
  • Suficiência.

4- Uma Funda. (1Sm 17.40,49, 50).

Instrumento (arma) feito de pedaço de couro e de duas cordas, com que se lançam pedras ou balas. Usada por Davi para matar Golias. (1Sm 17.40,50). Os que atiravam com fundas pertenciam tanto a infantaria como os arqueiros. (2Rs 3.35). Usavam tanto da mão direita como da esquerda em arremeter pedras com fundas. (1Crô 12.2). Setecentos benjamitas que atiravam com a funda num cabelo e não erravam. (Jz 20.16). A vida de teus inimigos este a arrojará como se a atirasse da cavidade de uma funda. (1Sm 25.29; Jr 10.18).

A funda representa armadura do crente como:

  • Arma de Combate. (1Tm 1.18,19; 6.12; 2Tm 4.7,8).
  • Arma de Ataque. (Ef 6.17).
  • Arma Ofensiva. (2Co 10.4).

5- Cinco Pedras. (1Sm 17.40,49,50).

Pedra na simbologia Bíblica é Jesus. (Mt 16.18).

  • Símbolo da Misericórdia de Deus,
  • Símbolo do Poder de Deus,
  • Símbolo da Autoridade de Deus.

As cinco pedras de Davi correspondem:

  • A sua Suficiência.
  • A sua Eficiência.
  • A sua Eficácia. (2Sm 21.22).

Read Full Post »

Texto Bíblico: 2Samuel 24.24

Introdução: Davi edifica um altar ao Senhor – Por orientação do profeta, Davi edificou um altar ao Senhor. (2Sm 24.18,19). Para isto ele comprou de Araúna Davi nos ensina neste altar é que não se deve oferecer a Deus “holocaustos que não custem nada.”Ele pagou o devido preço para que a praga cessasse sobre Israel.   (2Sm 24.25).

Da mesma maneira, Cristo pagou o preço de nossa redenção, para que fossemos livres da praga do pecado. (1Pe 1.18,19).

Exemplos de Sacrifícios de Valor:

1- Abel – “Ofereceu sacrifício dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura.” (Gn 4.4).

2- Abraão – “Ofereceu seu único filho Isaque em holocausto.” (Gn 22.1-14).

3- Davi – “Ofereceu sacrifício de valor.” (2Sm 24.24).

4- A Mulher Pecadora – “Levou um vaso de alabastro com ungüento.” (Lc 7.37,38).

5- A Viúva Pobre – “ofertou tudo o tinha.” (Lc 21.1-4).

6- Paulo – “Sacrifício de sua vida.” (Gl 2.20).

Exemplos de Sacrifícios sem Valor:

1- Caim – “Ofereceu do fruto da terra.” (Gn 4.5).

2- Nadabe e Abiú – “Ofereceram fogo estranho.” (Nm 10.1).

3- Sacrifícios de ímpios. (Pv 15.8).

4- Sacrifício de tolo. (Ec 5.1).

A Sagrada Escritura diz: “Portanto os que estão na carne não podem agradar a Deus.” (Rm 8.8).

O Verdadeiro Sacrifício de Valor é Feito:

1- Com alegria. (Sl 27.6).

2- Com humildade. (Lc 18.10-14).

3- Com coração quebrantado. (Sl 51.17).

4- Em espírito e em verdade. (Jo 4.23,24).

5- Com atitude de adoração. (Rm 12.1; Jo 4.23,24).

Resumo: Ofereça a Deus o que você tem de melhor – então espere o melhor da parte de Deus. “Portanto, oferecemos sempre, por ele, a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome… porque, com tais sacrifícios Deus se agrada.” (Hb 13.15,16).

Read Full Post »

Texto Bíblico: Lucas 18.35-43

1- Necessidade de Ouvir Falar de Jesus. (v.36).

“De sorte que a fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” (Rm 10.17). 

2- Necessidade de Clamar por Jesus. (v.38).

“Clama a mim e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes, que não sabes.” (Jr 33.3).

3- Necessidade de Ouvir Jesus. (v.41).

“… Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras da vida eterna.” (Jo 6.68). 

4- Necessidade de Ver Jesus. (v.42ª).

“Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os confins da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.” (Is 45.22).

5- Necessidade de Ser curado por Jesus. (v.42,43a).

“… porque eu sou o Senhor que te sara.” (Êx 15.26).

6- Necessidade de Seguir a Jesus.  (v.43b).

“Vinde a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu (Jesus) vos aliviarei…” (Mt 11.28).

7- Necessidade de Glorificar a Jesus. (v.43c).

“Abraão… foi fortificado na fé dando glória a Deus.” (Rm 4.20).

Read Full Post »

Texto Bíblico: Hebreus 11.1

1- O que é a fé:

No dicionário: Crença, convicção, credito sobre a veracidade de algo; opinião favorável sobre alguma coisa ou pessoa.

Na Bíblia: “A fé é a certeza das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se vêem.” (Hb 11.1).

  • A fé é uma capacidade espiritual. (Gl 3.11).
  • A fé é um atributo da alma; não é algo que possa ser aprendido pela experiência física. Não vem mediante o exercício dos cinco sentidos. Não é algo que se aprenda na experiência humana. “A alma sabe, portanto, crê.”
  • A fé é um dom e uma operação do Espírito, mas também é uma reação favorável da alma. E uma estrada com duas pistas: a humana e a divina. O poder divino é que a cria; é um dom de Deus; mas a vontade humana, no nível da alma, deve receber e apropriar-se da fé, e então aplicar a “outorga aos cuidados de Cristo.” (Ef 2.8; Cl 2.12; Hb 12.2), quanto ao fato que a fé é uma operação divina (Gl 5.22) mostra-nos que se trata de um dos aspectos do “fruto do Espírito.” (Fl 1.29; 2Tss 2.13; Jo 6.29).

2- Expressões da fé:

  • Fé Salvadora. (Rm 10.9; Ef 2.8).
  • Fé – Fruto do Espírito. (Gl 5.22).
  • Fé – Dom do Espírito. (1Co 12.9).
  • Fé – O Evangelho completo. Seria o corpo de doutrinas que professamos (At 6.7; Gl 1.23; 1Tm 3.9; 4.17; Jd 3).
  • Fé – Confiança absoluta em Deus através do conhecimento da sua palavra (Rm 10.17). A fé natural só serve para as relações terrenas entre os homens (Jo 20.29; Tg 2.19).

3- O valor da fé:

  • É vital, essencial ao salvo. (Rm 1.17; 11.20; Hb 10.38).
  • A falta de fé é o pecado máter. (Jo 16.8,9; Rm 14.22,23).
  • O sobre – excelente amor procedia da fé. (EF 1.5; 3.17; 6.23).

4- A medida da fé:

  • Pequena fé. (Mt 6.30; Lc 12.28).
  • Tanta fé. (Mt 8.10; Lc 7.9).
  • Grande fé. (Mt 15.28).

5- A visão da fé:

  • Ela vê o que está longe. (Hb 11.13).
  • Ela vê o invisível. (Hb 11.27).
  • Ela vê o futuro. (Hb 11.1).
  • Ela vê a glória de Deus. (Jo 11.40).

6- A fé é fonte:

  • De Alegria. (1Pe 1.8).
  • De Esperança. (1Pe 1.21).
  • De Pureza. (At 15.9).
  • De Santidade. (At 26.18).

7- Traz ao que crê:

  • Remissão de pecados. (At 10.43).
  • Paz. (Rm 15.13).
  • Descanso. (Hb 4.3).
  • Esperança. (Gl 5.5).
  • Confiança. (Ef 3.12).
  • Filiação. (Gl 3.26).
  • Vida eterna. (Jo 3.16; 11.25).
  • Todas as coisas. (Mt 21.22; Mc 9.23).

8- Habilita o que crê:

  • A ficar firmes. (2Co 1.24).
  • A viver. (Rm 1.17).
  • A andar. (2Co 5.7).
  • A combater. (1Tm 6.12).
  • A vencer. (1Jo 5.4).
  • A obter bom testemunho. (Hb 11.39).
  • A tornar-se filho de Deus. (Jo 1.12).

9- Exemplos de fé vitoriosa:

  • Abraão. (Gn 22.8).
  • Calebe. (Nm 13.30).
  • Jônatas. (1sm 14.6).
  • Davi. (1Sm 17.37).
  • Jó. (Jó 19.25; 42.2).
  • Estevão. (At 6.5).
  • Barnabé. (At 11.24).
  • Paulo. (2Tm 4.7).
  • Os heróis antigos. (Hb 11.33,34).

10- A fé elemento indispensável na vida do crente:

  • O justo viverá da fé. (Hc 2.4; Rm 1.17).
  • Sem fé é impossível agradar a Deus. (Hb 11.6).
  • A fé é vitória que vence o mundo. (1Jo 5.4)
  • Todas as coisas são possíveis ao que crê. (Mc 9.23). 

11- Como obter a fé:

  • Por Jesus. (Hb 12.2).
  • Pela Palavra de Deus. (Rm 10.17).
  • Pelo Espírito Santo. (2Co 4.13).
  • Pela Adoração a Deus. (Rm 4.20). Ela estimula a fé. (At 16.25,26).

Resumo: “A fé é a certeza das coisas que se esperam e a prova das coisas que   não se vêem.” (Hb 11.1).

Read Full Post »

Texto Bíblico: Lucas 22.7-21

Introdução: A festa da páscoa, que o Senhor desejou comer com os seus discípulos já havia passado. Jesus, o verdadeiro cordeiro pascal. Deveria ser logo sacrificado. Agora o Senhor institui uma nova e muito significativa Ceia. Naquela noite terminou a dispensação judaica (a lei) e a graça vigorou. Observamos brevemente a singular celebração.

A festa da páscoa passou. Judas aceitou a parte que o Senhor lhe tinha dado e retirou-se. O Senhor ficou sozinho com os onze. Então tomou pão e vinho e explicou-lhes estes símbolos. Sem palavras, esta ceia apresenta as mais preciosas verdades: a salvação consumada e o perdão dos pecados.

1- É uma Festa de Redenção. (Ef 1.7).

Através da Ceia do Senhor, vemos mais uma vez diante de nós a morte salvivífica de Cristo e seu significado redentor para nossa vida. Por meio de sua morte, Jesus pagou o preço necessário para nos libertar da escravidão do pecado.

Agora fomos perdoados por causa do derramamento do sangue de Jesus – Ele morreu como o mais perfeito e consumado sacrifício. (Rm 5.9; Ef 2.13; Hb 9.22).

Não negligencie á participação na Ceia do Senhor! Deixe que esta celebração a faça lembrar o que Cristo fez a seu favor.

2- É uma Ceia de Adoração. (Hb 13.15).

Aqui também descobrimos a base de todo nosso louvor: o sacrifício de nosso Senhor Jesus Cristo. É por Ele, Nele, com Ele, a Ele que oferecemos nosso sacrifício de louvor a Deus.

Jamais se poderá atrapalhar o louvor com sucesso quando mantemos o enfoque do louvor Nele – o autor e consumador de nossa salvação.

Sua cruz, seu sangue – seu dom amoroso de vida e de perdão para conosco – mantém o louvor como um sacrifício vivo! (Hb 2.11,12; 1Pe 2.9).

3- É uma Ceia de Esperança. (1Co 11.26).

A comemoração da Ceia do Senhor é também uma expectação. Cristo foi arrebatado de nós em sua presença física. Mas até mesmo essa sua presença física nos será restaurada.

Paulo vivia na expectação diária desse acontecimento, visto que não esperava que houvesse o grande intervalo da “era da igreja,” que já se prolonga por quase vinte séculos.

Porém, enquanto não se averiguar essa restauração, cumpriu-nos – continuar – a relembrá-lo, fazendo-o vividamente através da Ceia do Senhor.

Read Full Post »

Texto Bíblico: Lucas 18.1 

1- O que é oração:

  • A oração é a dependência de Deus,
  • A oração é o elo de ligação com Deus,
  • A oração é o oxigênio do crente. (1Tss 5.17),
  • A oração é a respiração da alma. (1Tss 5.17),
  • A oração é uma arma poderosa. (Ef 6.11,13),
  • A oração é uma chave invisível. (At 16.25-28),
  • A oração é uma “alavanca” que move o braço que sustenta o mundo, o braço de Deus.          

2- A oração é descrita como:

  • Invocar ao Senhor. (Sl 17.6),
  • Invocar o nome do Senhor. (Gn 4.26). “Enos,”
  • Clamar ao Senhor. (Sl 3.4),
  • Buscar ao Senhor. (Is 55.6),
  • Levantar nossa alma ao Senhor. (Sl 25.1),
  • Aproximar-se do trono da graça com confiança. (Hb 4.16),
  • Chegar perto de Deus. (Hb 10.22; Tg 4.8).

3- Como devemos orar:

  • Podemos orar em silêncio. (1Sm 1.13),
  • Podemos orar em voz alta. (Ne 9.4; Ez 11.13),
  • Podemos orar através do Espírito (i, e., em línguas). (1Co 14.14-18),
  • Podemos orar até mesmo através de gemidos. (Rm 8.26),
  • Podemos orar cantando ao Senhor. (Sl 92.1,2; Ef 5.19,20; Cl 3.16),
  • A oração pode ser acompanhada de jejum. (Ed 8.21; Ne 1.4; Dn 3.4; Mt 6.16; Lc 2.37; At 14.23).

4- Qual a posição que se deve orar:

Notam-se várias posições na oração, tanto no A. T. como no N. T.. A Bíblia menciona pessoas orando:

  • Em pé. (1Sm 1.10,26; 1Rs 822; Ne 9.4,5; Lc 18.11),
  • Sentados. (1Crô 17.16; Lc 10.13),
  • Ajoelhados. (Ed 9.5; Dn 6.10; Lc 22.41),
  • Prostradas. (Nm 16.22; 2Sm 12.16; Mt 26.39),
  • Acamadas. (Sl 63.3; Is 38.1,2),
  • Curvadas até o chão. (Êx 34.8; Sl 95.6),
  • E de mãos levantadas (erguidas) aos céus. (Ed 9.5; Sl 28.2; Is 1.15; 1Tm 2.8).

5- Quando e onde orar:

  • Dentro do grande peixe. (Jn 2.1),
  • Sobre os montes. (1Rs 18.42; Mt 14.23),
  • No terraço da casa. (At 10.9),
  • Num quarto interior. (Mt 6.6),
  • Na prisão. (At 16.25),
  • Na praia. (At 21.5),
  • No templo – “a casa de Deus.” (Lc 18.10; At 3.1).

6- Como deve ser feita a oração:

  • Com fé. (Mt 21.22; Mc 9.23; 11.24; Hb 4.16; 10.22; Tg 1.6; 5.15),
  • Com fervor. At 4.31),
  • Com obediência. (1Jo 3.22),
  • Com perseverança. (Lc 18.1-7; Mt 7.7,8; Rm 12.12; Ef 6.18; Cl 4.2; 1Tss 5.17),
  • Com sinceridade. (Hb 10.22),
  • Com louvor e adoração. (Sl 100.4; 150; Fl 4.6),
  • Com a confissão sincera de pecados conhecidos. (Tg 5.16; Sl 51; Lc 18.13; 1Jo 1.9),
  • Em comunhão com Cristo e sua palavra. (Jo 15.7),
  • Em nome de Jesus. (Jo 14.13,14),
  • No Espírito Santo. (Ef 6.18),
  • Segundo a vontade de Deus. (Mt 6.9,10; 1Jo 5.14). A oração do próprio Jesus no Getsêmani. (Mt 26.42),
  • Segundo a nossa necessidade. (Tg 4.3; Sl 27.7-12; Fl 4.6).

Read Full Post »

Older Posts »