Feeds:
Posts
Comentários

Archive for janeiro \27\UTC 2012

Texto Bíblico: Salmos 23.1

 Introdução: O salmo 23 foi escrito por Davi na visão e perspectiva de um pastor de ovelhas. E como tal, Davi conhecia todas as implicações e realidades desse trabalho. Ele olha para Deus e vê que assim como ele lidava e tratava suas ovelhas, era também cuidado e tratado por Deus que era o seu pastor. Desta forma com muita propriedade ele apresenta realidades que eram vividas no cotidiano de seu trabalho e as aplica ao contexto espiritual, observando assim a maravilhosa forma como Deus cuidava de sua vida. O mesmo cuidado Deus continua dispensando às suas ovelhas ainda hoje. Ele continua sendo e sempre será o nosso grande Pastor.

O texto nos afirma: “O Senhor é o meu Pastor; nada me faltará.” – Que maravilha!  O Senhor é o nosso Pastor e supre todas as nossas necessidades. Portanto, temos a certeza de sua presença plena em nossas vidas cuidando de nós. Muita das vezes como ovelhas nos distanciamos do aprisco e nos afastamos do nosso Pastor. Contudo, Ele é fiel e nunca nos abandona. Ele sempre virá em busca de suas ovelhas. Duas verdades são aqui destacadas:

1- Pastor Pessoal.

Ele é o “meu pastor…”. Ele tem conosco uma relação pessoal. Ele conhece chama pelos nomes as suas próprias ovelhas. (Jo 10.3). Ele nos conhece pessoalmente. Ele conhece suas ovelhas intimamente, uma por uma, e cuida delas individualmente. Ele conhece as ovelhas uma por uma, tratando-as bondosamente, como indivíduos. As ovelhas têm contato pessoal com o pastor. A Escritura Sagrada diz:

“As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará das minhas mãos.” (Jo 10.27,28). Isto é relacionamento pessoal: “O Senhor é o meu Pastor…” Isto fala também de comunhão pessoal com Ele.  

2- Pastor Suficiente.

“… nada me faltará.” Ele é o pastor que supre suas ovelhas em quaisquer circunstâncias. A ovelha é um animal indefeso, míope e incapaz de cuidar de si mesma. Ela necessita do cuidado do pastor.

E Cristo tem toda a condição para suprir suas ovelhas de forma plena. Descanse e confie no Senhor, pois na hora certa Ele sempre tem a resposta de suprimento para suas ovelhas. Ele tem suprimento abundante e suficiente. “… nada me faltará.”

  • Não faltará alimento. (v.2).“Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranqüilas”.
  • Não faltará refrigério. (v.3ª).“Refrigera a minha alma…”
  • Não faltará direção. (v.3b). – “… guia-me pelas veredas da justiça…”
  • Não faltará segurança. (v.4a). – “Ainda que eu andasse pelo vale da sobra da morte, não temeria mal algum…”
  • Não faltará companhia. (v. 4b).“pois tu estás comigo”
  • Não faltará Consolo. (v.4c). – “… a tua vara e o teu cajado me consolam.”
  • Não faltará suprimento. (v.5a). “Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus adversários…”     
  • Não faltará unção. (v.5b). “… unges-me a cabeça com óleo…”
  • Não falta regozijo. (v.5c). “… o meu cálice transborda.”
  • Não faltará bondade e misericórdia (v.6a). “Certamente que a bondade e a misericórdia me seguiram todos os dias da minha vida…”
  • Não faltará convicção. (v.6b). – “… habitarei na casa do Senhor por longos dias.”

Ele faz tudo quanto pode para cuidar delas, por possuir por elas um afeto genuíno, protegendo-as do perigo, suprindo-lhes todas as necessidades.

Resumo: O resultado destas certezas na vida daqueles que foram lavados e remidos pelo Sangue de Cristo, sem dúvida é Alegria completa por pertencer ao rebanho de Cristo. Um rebanho cuidado pelo Sumo Pastor e caminha para os céus.

Read Full Post »

Texto Bíblico: Isaías 6.1-3

Introdução: A visão que teve Isaías ocorreu no ano em que morreu o Rei Uzias, (742 a.C.) – talvez a experiência da morte do Rei produziu um senso de vazio, que o levou ao Templo em busca de consolo. No Templo, Isaías teve uma grande visão de Deus, que culminou com sua chamada profética. Isaías teve uma visão tríplice de Deus. Vamos percorrer as fases desta visão e aplicá-la aos nossos dias. Vejamos:

1- Isaías Viu a Majestade de Deus. (v.1).

A primeira característica que ganha destaque do profeta é o fato de que Deus é cheio de Majestade. Ele é descrito como sentado em um trono muito alto e elevado, acima da terra. Apenas a barra de seu manto enche todo o Templo, que era enorme. Percebe-se, desta forma, que Deus é o rei soberano de toda a terra, nada se compara à sua grandiosidade e poder.

Ele está acima de qualquer autoridade e poder humano, é maior que reinos e reis. Seu trono é fixo e ele reinará para sempre, ninguém pode tirar seu reinado, ao contrário dos reis da terra.

Isaías teve esta visão justamente no ano da morte do rei Uzias. A morte de um rei sempre causava desespero e instabilidade entre o povo, pois não havia garantia de que o herdeiro ao trono iria conduzir o reino da mesma forma que o pai.

A visão mostra que, independente da circunstância, Deus sempre será rei. Homens morrem, reis deixam o reinado, situações financeiras mudam, pais se separam, tragédias acontecem, mas não devemos perder a esperança, porque o Deus Todo poderoso nunca deixará de governar e de ter o controle sobre tudo o que acontece. (Sl 145.13).

Precisamos de uma visão de um Deus que esteja além de nós (num trono alto, sublime e exaltado) e não seja apenas um produto de nossa imaginação.

2- Isaías Viu a Santidade de Deus. (vv.2,3).

A segunda característica destacada por Isaías é a santidade de Deus. Os Serafins dão grande ênfase a isto ao afirmar por três vezes que Deus é santo. “… Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos…” Dizer que Deus é santo é afirmar que ele é diferente de todas as suas criaturas. Os serafins sabiam isto e cobriam o rosto e o corpo, pois eram tão diferentes de Deus que não se viam como dignos de olhar para sua face e aparecer diante dele com seus corpos tão diferentes e inferiores. Esta é uma grande revelação do caráter de Deus: a sua santidade.  A idéia básica de Santidade é “separação”, ou seja, Deus está separado e acima de sua criação. Significa também que Deus está além do Universo, acima dele, separado; e que não há nele qualquer erro, falha ou imperfeição. Esse é o Deus a quem servimos; um Deus perfeito.

  • A santidade divina significa que Deus é separado do pecado. (6.3).
  • A santidade de Deus proporciona o padrão a ser imitado. (Lv 19.2b).“… Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.”
  • Tal santidade é condição para que O vejamos. (Hb 12.14).  “… sem a santificação, ninguém verá o Senhor.”

Deus deseja ser conhecido essencialmente por Sua santidade, pois esse é o atributo pelo qual Ele é glorificado por excelência.

3- Isaías Viu a Glória de Deus. (v. 3b).

Em terceiro lugar, chamou a atenção o que os anjos afirmam que “… toda a terra está cheia da sua glória.” No texto são os Serafins que estão proclamando a “Glória de Deus”. Veja a expressão: “Toda a terra está cheia de sua glória”. Isaías podia perceber uma pequena demonstração desta glória ali dentro do Templo.

A “glória do Senhor” refere-se a uma manifestação visível da presença e do esplendor de Deus. A glória de Deus também se refere á presença visível de Deus entre o seu povo. A glória de Deus é também chamada a Shekinah de Deus. A palavra Shekinah vem do verbo hebraico que significa “habitação (de Deus)”, empregada para descrever a manifestação visível da presença e a glória de Deus.

A Glória de Deus é Manifestada:

  • Na criação. (Sl 19.1). “Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.”
  • No seu julgamento. (Ez 39.21). “E eu porei a minha glória entre os gentios e todos os gentios verão o meu juízo, que eu tiver executado, e a minha mão, que sobre elas tiver descarregado.”
  • Na redenção. (Lc 2.13-14). “E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens.”
  • Quando construímos uma casa para Ele. (2Cr 7.1-3). Após o rei Salomão haver construído uma das sete maravilhas do mundo antigo: O grande Santuário. A Bíblia diz que, Deus encheu aquele Santuário de uma forma tão tremenda que os sacerdotes ficaram embriagados com a glória de Deus.
  • Através da fé. (Jo 11.40). “Disse-lhe Jesus: Não te disse, se creres, verás a glória de Deus?”

Resumo: Assim como o profeta Isaías, Todo aquele que verdadeiramente conhece, compreende, crê e assim vive segundo a visão de Deus, revelada em Cristo Jesus e na Sua palavra, tem um estilo de vida impactado por esta mesma visão.

Precisamos conhecer compreender e viver segundo a visão, a revelação divina de que o caminho para o bom êxito é o caminho da vida em comunhão e obediência a Deus Pai, por meio de Jesus Cristo, sob a capacitação do Espírito Santo.

Read Full Post »

Os números de 2011

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2011 deste blog.

Aqui está um resumo:

O Museu do Louvre, em Paris, é visitado todos os anos por 8.5 milhões de pessoas. Este blog foi visitado cerca de 230.000 vezes em 2011. Se fosse o Louvre, eram precisos 10 dias para todas essas pessoas o visitarem.

Clique aqui para ver o relatório completo

Read Full Post »